Câmeras e abordagens da PM: vice-governador de SP detalha medidas para acabar com a Cracolândia

Semyonova Solpav
Semyonova Solpav 3 Min Read
3 Min Read

Os últimos detalhes do plano para acabar com a Cracolândia foram fechados durante reunião no Palácio dos Bandeirantes. Participaram o governador Tarcísio de Freitas, o vice Felício Ramuth, responsável por coordenar os trabalhos, o prefeito da capital, Ricardo Nunes, além e especialistas no assunto. O governador falou que a internação compulsória só será utilizada como último recurso pelas forças de segurança e que as outras formas de abordagem e acolhimento serão priorizadas. Os trabalhos seguirão quatro diretrizes: abordagem qualificada aos usuários por meio de profissionais especializado, oferta de linhas de cuidado para tratamento da dependência química e plena oferta de serviços públicos em todas as frentes de atuação por meio da utilização do cadastro único. O vice-governador, Felício Ramuth falou sobre as medidas, dando mais detalhes sobre a atuação do governo e das forças de segurança.

O vice-governador garantiu que a população verá, nos próximos meses, ações integradas entre Polícia Civil e Polícia Militar, citando inclusive a novidade de registro de ocorrências sem necessidade de levar o autor para a delegacia. “A Polícia Civil tem um departamento de investigação e tem trabalhado com este objetivo. No decorrer dos próximos dias e meses, vocês verão ações muito consistentes por parte da Polícia Civil e a integração com a Polícia Militar, incluindo uma iniciativa inédita: o registro de ocorrências para fins judiciais. A PM vai poder fazer abordagens e, nos crimes de menor potencial, fazer o registro de ocorrência no local, sem precisar levar o autor para a delegacia. Portanto, esse tipo de atividade fará com que os policiais possam atuar com mais eficiência. Para os que estão em benefício de pena, os registros de ocorrência podem levá-los de volta ao regime fechado”, afirmou Ramuth.

Outra novidade anunciada foi o pagamento de R$ 600 para quem abrigar moradores de rua, subindo para R$ 1.200 no caso de famílias. Ramuth explicou como funcionará o benefício. “São dois programas distintos, mas com objetivo próximo. Um é o Auxílio Reencontro, que tem como objetivo estimular famílias a receber pessoas que acabaram deixando o convívio com a família. Para isso, existe uma remuneração da prefeitura, sendo 10 mil ofertas desse tipo de atendimento com valor de R$ 600 e R$ 1,2 mil se a família acolher outra que está na rua. Existe um segundo programa que é o Aluguel Social, também de R$ 1,2 mil para aqueles que já estão em jornada de atendimento”, esclareceu o vice-governador.

 

Compartilhe esse artigo
Deixe um comentário